quinta-feira, 14 de abril de 2016

Poema das árvores 

As árvores crescem sós. E a sós florescem.
Começam por ser nada. Pouco a pouco
se levantam do chão, se alteiam palmo a palmo.
Crescendo deitam ramos, e os ramos outros ramos,
e deles nascem folhas, e as folhas multiplicam-se.
Depois, por entre as folhas, vão-se esboçando as flores,
e então crescem as flores, e as flores produzem frutos,
e os frutos dão sementes,
e as sementes preparam novas árvores.

E tudo sempre a sós, a sós consigo mesmas. […]

Virtude vegetal viver a sós
e entretanto dar flores.

 António Gedeão, 1999, p. 104

Sem comentários:

Espero que tenhas gostado. Deixa sempre um comentário para me ajudar a melhorar o blogue.

Volta sempre